Na prorrogação, Spartans derrota Santos e avança para os playoffs

0
20
O Spartans irá enfrentar o Corinthians Steamrollers nos playoffs. O confronto, em 2011, foi a final do Campeonato Paulista daquele ano (que teve vitória alvinegra na Fazendinha) Foto: Maria Clara / SPFL

No último domingo (26), Spartans Football e Santos Tsunami se enfrentaram em partida emocionante por disputa de vaga nos playoffs e a luta contra o rebaixamento. O Centro de Treinamento Touchdown foi palco de um jogo que só foi decidido na prorrogação, e os espartanos levaram a melhor, vencendo por 10 a 08.

O jogo

A primeira posse de bola da partida foi do Tsunami, mas sem conseguirem pontuar, o ataque do Spartans entrou em campo. As campanhas seguintes foram dessa forma, uma para cada lado, com as defesas parando o jogo corrido e evitando que os passes fossem completos.

O Spartans conseguiu tirar o zero do placar quando o defensive back Levy Silva (46) interceptou um passe do Tsunami e retornou para a endzone, marcando o primeiro touchdown da equipe. A conversão de dois pontos funcionou com passe do quarterback Felipe Phellps para o wide-receiver Victor Hugo “Mega” e os Espartanos começaram a liderar por 08 a 00.

As equipes estavam com o jogo corrido muito forte, mas suas defesas trabalhavam bem para conter os avanços. O Spartans acabou sofrendo um fumble em uma campanha e o Tsunami recuperou, resultando em um touchdown nas jogadas seguintes: passe do quarterback Weslley Santos para o wide-receiver Victor Brandão. Precisando vencer para evitar o descenso, o time da baixada santista optou pela conversão de dois pontos e igualou o placar com passe para o fullback Renato Santos.

A partida inteira foi marcada pelos ataques tentando produzir, mas as defesas sem ceder espaços para que o adversário pontuasse.

Duas interceptações, uma para cada lado, em momentos importantes da partida onde os ataques vinham avançando perigosamente, mas em especial a do Spartans que ocorreu no último minuto do jogo.

Com o final da partida em 08 a 08, as equipes foram para a prorrogação. A primeira posse de bola foi do Spartans, mas não obtiveram sucesso na campanha. Em seguida, o ataque do Tsunami entrou em campo e depois de suas tentativas, foi para o field goal, porém, a bola bateu na trave e não entrou.

O Spartans teve mais uma campanha, chegou bem próximo da endzone, mas outra vez não pontuou. O Tsunami novamente encerrou suas tentativas com um field goal, mas a bola não fez o percurso correto, ainda deixando a partida e aberto.

Pela regra de prorrogação, a partir do terceiro período extra, uma série de posse de um time será apenas uma jogada para um try de dois pontos da jarda três, a menos que reposicionada por uma penalidade. Portanto, as equipes começavam da linha de três jardas e tinham apenas uma tentativa de pontuar.

Após três tentativas do Spartans e três do Santos, na quarta, os Espartanos conseguiram uma conexão do quarterback Felipe Fhellps com o tight-end Marlon de Almeida. O Tsunami ainda teve mais uma tentativa após essa, mas não obteve sucesso. A partida acabou 10 a 08 para os donos da casa.

O que vem por aí?

O resultado garantiu a ida inédita do Spartans aos playoffs e a segunda colocação no Grupo A da Série Diamante (encarando o Steamrollers, terceiro colocado do Grupo B). Já o Santos Tsunami se despediu da competição e, com o resultado combinado da partida entre Steamrollers e Indians, foi rebaixado para a Série Ouro.

Com assessoria SPFL

> Confira nossa página especial da SPFL 2022

COMPARTILHAR
Artigo anteriorPlacar FABR – 25 e 26 de junho
Próximo artigoRhynos não dá chances e abate Jets na SPFL
Editor-chefe do Salão Oval, maior plataforma de mídias destinada ao FABR, Social Media Journalist da FIVB (Federação Internacional de Vôlei) e Social Media Editor para a Premier League (Campeonato Inglês de Futebol). Realizei coberturas nacionais pelas cinco regiões do Brasil e também nos EUA (Mundial de Ohio) e Perú (1º Torneio Guerrero de Los Andes), sempre acompanhando o futebol americano nacional de perto. Narrador e comentarista para o futebol americano nacional em diversas ocasiões (BandSports, Fox Sports e Globo Esporte.com), fui também jogador da Lusa Lions (flag 2008) e do Corinthians Steamrollers (2009 a 2012).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here