Springfield Jr.: “O Brasil é a minha casa”, diz americano, agora na Seleção Brasileira

2
390
"O Brasil é minha casa". No país desde 2014, James Springfield Jr. é jogador do Tubarões do Cerrado, de Brasília, e agora também da Seleção Brasileira de Futebol Americano Foto: Arquivo pessoal / Instagram

Calmo, respeitoso, focado. Talvez não sejam as primeiras qualidades que você possa pensar sobre um defensive tackle/nose, mas elas definitivamente se aplicam a James Springfield Jr., o primeiro americano, prestes a se naturalizar brasileiro, a figurar pela Seleção Brasileira de Futebol Americano.

A chance inédita será real no dia 26 de março, quando o Brasil Onças irá enfrentar em amistoso o Europe Warriors, em local ainda a ser definido. Springfield foi uma das novidades anunciadas hoje, após uma lista original de 49 atletas, que serão comandados no importante jogo pelo head coach Brian Guzman.

> Confira as mudanças na lista para o amistoso

No Brasil desde 2014, o americano é baseado em Brasília, onde atua por uma das equipes mais tradicionais do futebol americano nacional, o Tubarões do Cerrado – time o qual é extremamente leal. Com o processo de naturalização adiantado, Springfield atuará no amistoso, mas o foco principal é estar com a papelada pronta para o Mundial da modalidade em 2023.

Confira a entrevista que fizemos ao histórico novo jogador da Seleção Brasileira de Futebol Americano

Salão Oval: Qual é a sua experiência no futebol americano antes do Brasil?

James Springfield Jr.: Antes de vir para o Brasil, joguei futebol americano universitário na Tennessee State University e depois Arena Football pelo Chicago Slaughter e Macon Steel, na Geórgia. Depois do futebol de Arena, joguei na França pelo Nantes Dockers.

Salão Oval: Quando você veio para o Brasil? O que você pensava sobre o país, então, e pensa agora, anos depois?

Springfield: Vim ao Brasil pela primeira vez em 2014. Antes de vir, ouvi falar muito bem das pessoas e da atmosfera e quando finalmente cheguei, as coisas que ouvi eram definitivamente verdadeiras. As pessoas eram agradáveis, o clima é agradável e essas coisas ainda são verdadeiras até hoje!

Salão Oval: O que você acha do nível do jogo aqui?

Springfield: Acho que o futebol americano cresceu muito desde a primeira vez que pisei aqui no Brasil. Treinadores e jogadores estão adquirindo mais conhecimento a cada ano e acho que o céu é o limite para o futebol aqui no Brasil.

Salão Oval: Por que você quis se tornar brasileiro?

Springfield: Fiquei muito empolgado quando surgiu a oportunidade de me naturalizar porque o Brasil é minha casa. Sinto que sendo naturalizado posso continuar crescendo em todos os aspectos da minha vida aqui e posso retribuir ao país que está me dando muito em tão pouco tempo.

Salão Oval: Qual é a sensação de jogar pelo Brasil, na seleção, daqui a algumas semanas?

Springfield: Será uma grande honra dividir o campo com alguns dos melhores jogadores do país. Estou ansioso para trabalhar com esses caras e trazer a vitória para casa.

> Saiba mais sobre Springfield, em entrevista ao Salão Oval (2017)

2 COMENTÁRIOS

  1. Além de ser um Head Coach incrível; firme, divertido e zeloso. O time feminino de Brasília tem muita sorte em tê-lo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here