Mundial de Flag: Seleção Feminina tem sua melhor participação de todos os tempos

3
174
Seleção Feminina comemora o quarto lugar, melhor posição alcançada nas cinco participações nos Mundiais de Flag Foto: Grasiela Gonzaga / Flag Football Brasil

Elas cumpriram a promessa! Foram ao seu quinto mundial e subiram de ranking, como a head coach Victoria Guglielmo prometeu em entrevista ao Salão Oval em outubro. A Seleção Brasileira Feminina concluiu sua participação no Mundial de Flag Football nesta terça-feira (08). Com a conquista do quarto lugar, o Brasil conseguiu sua melhor campanha na história da competição.

Na semifinal, o Brasil enfrentou a forte equipe do México e perdeu por 47 a 6. O touchdown brasileiro foi anotado por Luiza Calaça, sem conversão de extra point. Na final, o México foi derrotado pelos Estados Unidos por 31 a 21 e ficou com o vice-campeonato.

Com o revés diante das mexicanas, o Brasil disputou o 3º lugar com a Áustria, sendo superado pelo placar de 26 a 13. Luiza Calaça anotou o primeiro touchdown, enquanto Taísa Gomes marcou o segundo, com conversão de extra point de Luiza Calaça.

Com isso, a Seleção Brasileira Feminina encerrou sua participação no Mundial de Flag Football pela primeira vez no Top-4, um resultado histórico para o país na modalidade.

> Seleção Masculina estreia com 17º lugar

Vaga no World Games

Além disso, assegurou um convite provisório para participar do World Games em 2022 que será realizado em Birmingham, nos Estados Unidos, entre os dias 07 a 17 de julho.

O Flag Football será apresentado no World Games pela NFL. Os jogos serão realizados no histórico Legion Field, e contará com as oito melhores equipes femininas e as oito melhores masculinas do mundo.

A presidente da Confederação Brasileira de Futebol Americano (CBFA), Cristiane Kajiwara, acompanhou a delegação brasileira no Mundial de Flag Football e comentou sobre a importância dos resultados conquistados por ambas as seleções em Israel.

“Fico muito feliz por poder participar disso tudo. Acompanhar de perto as 2 seleções nessa trajetória, já no primeiro ano de gestão foi uma experiência única”, comentou Cris Kaji.

“No masculino, foi importante dar esse passo inicial, sentir o ritmo e nível de outros países.
Já o feminino fez história, conseguindo terminar no top 4. Motivo de muito orgulho para todo o país”, finalizou.

> Confira a página especial dos Mundiais de Flag

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMundial de Flag: Seleção Feminina faz história e chega às semifinais
Próximo artigoCTT realiza Summer Festival em São Paulo
Editor-chefe do Salão Oval, maior plataforma de mídias destinada ao FABR, Social Media Journalist da FIVB (Federação Internacional de Vôlei) e Social Media Editor para a Premier League (Campeonato Inglês de Futebol). Realizei coberturas nacionais pelas cinco regiões do Brasil e também nos EUA (Mundial de Ohio) e Perú (1º Torneio Guerrero de Los Andes), sempre acompanhando o futebol americano nacional de perto. Narrador e comentarista para o futebol americano nacional em diversas ocasiões (BandSports, Fox Sports e Globo Esporte.com), fui também jogador da Lusa Lions (flag 2008) e do Corinthians Steamrollers (2009 a 2012).

3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here