Seleção Brasileira não terá convocações afetadas por racha do Nacional

0
134
Brian Guzman, atual técnico da Seleção Brasileira, não terá a convocação afetada pelo racha do FABR Foto: Victor Francisco / Salão Oval (no Mundial de Ohio de 2015)

Uma das grandes consequências da primeira era do futebol americano nacional onde havia duas competições (a da CBFA e o Torneio Touchdown) era que os atletas da Seleção Brasileira Masculina de Futebol Americano só poderiam estar jogando na competição oficial, ou seja, na CBFA. A diretriz causava frustração em jogadores do Torneio Touchdown e era razão de grandes discussões.

Com a decisão da CBFA em ter o seu próprio campeonato após seis anos, provocando um segundo racha no FABR (já que a BFA também garantiu sua quarta edição), ficou o questionamento se tal procedimento seria repetido, principalmente com o jogo do Brasil Onças já marcado para março de 2022. A divulgação da comissão técnica acontecerá nos próximos dias.

> Brasil Onças joga contra combinado europeu em março

Procurada, a presidente da Confederação Brasileira de Futebol Americano, Cris Kaji, afirmou que não haverá restrições nas convocações, tanto dos jogadores, quanto da comissão técnica: “As escolhas serão feitas por mérito dos atletas e coaches, independente do campeonato que jogam e atuam”, afirmou.

Com isso, a pressão dos jogadores sobre diretorias em decidir qual campeonato atuar no próximo ano cai consideravelmente em relação à antes de 2015. Coincidentemente, foi o Mundial de Ohio, em 2015, levando atletas tanto do Torneio Touchdown quanto do Nacional da CBFA que sedimentou o caminho para a unificação das ligas – na Superliga 2016.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorBFA, times e federações se posicionam diante do Nacional da CBFA
Editor-chefe do Salão Oval, maior plataforma de mídias destinada ao FABR, Social Media Journalist da FIVB (Federação Internacional de Vôlei) e Social Media Editor para a Premier League (Campeonato Inglês de Futebol). Realizei coberturas nacionais pelas cinco regiões do Brasil e também nos EUA (Mundial de Ohio) e Perú (1º Torneio Guerrero de Los Andes), sempre acompanhando o futebol americano nacional de perto. Narrador e comentarista para o futebol americano nacional em diversas ocasiões (BandSports, Fox Sports e Globo Esporte.com), fui também jogador da Lusa Lions (flag 2008) e do Corinthians Steamrollers (2009 a 2012).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here