Impecável, Sada Cruzeiro conquista VIII Brasil Bowl

1
356
Foto: PH Martins

Neste domingo (10), Sada Cruzeiro e João Pessoa Espectros entraram em campo para a oitava edição do Brasil Bowl. A final nacional da BFA colocou frente a frente os campeões invictos, respectivamente, da conferência sudeste e da conferência nordeste. Do lado do Cruzeiro, a melhor defesa da competição. Já pelo Espectros, o ataque mais eficiente da Brasil Futebol Americano.

Com um primeiro tempo perfeito, o Cruzeiro conseguiu abrir uma vantagem de vinte e três pontos e administrar a diferença para se sagrar campeão brasileiro de futebol americano. A partida acabou com placar final de 30 a 13 para os mineiros; com direito a quatro interceptações conquistadas pela defesa celeste em cima de Rodrigo Dantas.

O jogo

O Brasil Bowl VIII teve seu início com chute de Diego Aranha, com um retorno curto do Sada Cruzeiro. A equipe mineira iniciou seus trabalhos ofensivos na linha de 32 jardas e na primeira campanha, os campeões da conferência sudeste não foram longe em campo, somente garantindo jardas através do jogo aéreo, com dois passes conectados de Alvaro Fadini, para Clinton Greenaway III e Victor “Mega”; e uma corrida lateral do quarterback brasileiro sem sucesso em busca da quarta descida.

Os fantasmas também não conseguiram avançar em sua primeira tentativa, com duas corridas curtas para menos de três jardas e um passe incompleto de Rodrigo Dantas. Aranha foi acionado e com um punt perfeito, a bola parou na linha de 4 jardas do campo mineiro.

As defesas continuaram a fazer a diferença, com o Espectros anulando o ataque do Cruzeiro na campanha seguinte. Sem avanços, a bola foi devolvida para os paraibanos na linha de 45 jardas.

Em uma ótima posição de campo, o Espectros buscou abrir o placar com chute de Diego Aranha. O kicker, que também será titular no amistoso da Seleção Brasileira na próxima semana, desperdiçou a oportunidade e chutou para fora.

Com uma flea flicker, Alvaro encontrou Sagat, que já tinha deixado para trás seus marcadores e correu livre até a endzone para o primeiro touchdown da oitava edição do Brasil Bowl. Chute preciso no meio do Y para os mineiros e mais um ponto no placar. (07 x 00)

Na terceira chance, o melhor ataque da BFA continuou apagado e sem conseguir sua primeira descida, tendo novamente que devolver a bola. O maior ponto positivo do Espectros no primeiro quarto foi o time de especialistas, que em duas oportunidades conseguiu deixar a bola na linha de 5 jardas e pressionar o ataque cruzeirense a iniciar sua campanha com as costas na parede.

Se o ataque do Espectros parecia não estar na partida, a defesa continuava a barrar o setor ofensivo mais efetivo da competição. Com as costas na parede, Alvaro não conseguiu a primeira descida e, logo no início do segundo quarto, a bola voltou para o ataque paraibano.

Na primeira jogada dos campeões nordestinos no segundo quarto, Dantas buscou seu recebedor no canto esquerdo, mas Clinton Greenaway III antecipou o quarterback brasileiro e interceptou a bola no meio do percurso. Foi o primeiro turnover da final.

Mesmo quando tudo parecia perdido para a campanha do Cruzeiro, por conta de um bad snap, Alvaro Fadini teve muito tempo dentro do pocket e conseguiu encontrar Victor “Mega” em uma terceira para 19. Mega se desvencilhou de Callus Cox e entrou livre na endzone para ampliar a vantagem dos campeões mineiros. Ponto extra bloqueado por Cox.

O ataque do Espectros continuava pressionando Dantas, que novamente acabou sendo interceptado ao arriscar um passe longo em uma terceira descida para dezoito jardas. Desta vez o turnover foi feito por Andrew Bernardini, outro atleta que foi convocado para o amistoso da Seleção Brasileira no dia 18 de Dezembro. A excelente jogada defensiva do Cruzeiro não conseguiu ser capitalizada com o touchdown, mas Charlston Charles acertou no meio do Y para mais três pontos da raposa. (16 x 00)

Depois de mais uma campanha sem avançar e com menos de um minuto para o final do primeiro tempo, Aranha foi bloqueado pelo time de especialistas do Sada, que conseguiu recuperar a bola na linha de 9 jardas para o touchdown. Com ótima escolta de sua linha ofensiva, Alvaro chegou livre até a endzone nordestina para marcar seu primeiro touchdown terrestre da final. Ponto extra convertido (23 x 00)

Com dez segundos no relógio para o final do primeiro tempo, o Espectros buscou evoluir dentro de campo pra chegar em uma posição de descontar a diferença no placar. Depois de duas conexões bem sucedidas de Dantas para Heron, o quarterback nordestino tentou uma hail mary para a endzone mineira, mas novamente foi interceptado, desta vez por Victor “Mega”. A jogada decretou o final do primeiro tempo, com os mineiros dominando os campeões da conferência nordeste.

Na volta do intervalo e 3 posses atrás no placar, o Espectros entrou no terceiro quarto mais ligado. Dantas conseguiu intercalar melhor as jogadas com seus recebedores e, depois de uma falta pessoal do head coach Dan Levy, o time paraibano chegou a linha de 35 jardas para o touchdown. Sem maiores avanços, a campanha acabou com o chute de Aranha para os primeiros pontos do Espectros na final. (23 x 03)

A primeira campanha ofensiva do Cruzeiro no segundo tempo foi totalmente diferente do que a equipe mostrou na primeira etapa. Alvaro não encontrou seus recebedores e uma tentativa mal sucedida de quarta para oito jardas colocou o ataque do Espectros já no campo mineiro.

Mesmo com posição boa de campo, os fantasmas não conseguiram encontrar seu primeiro touchdown e tiveram que se contentar novamente com mais um field goal convertido por Aranha, diminuindo a diferença para 17 pontos. (23 x 06)

Os ajustes do intervalo pareciam fazer efeito não só no setor ofesivo dos fantasmas, mas também no setor defensivo que conseguiu segurar mais uma campanha dos campeões mineiros que tiveram de chutar o punt.

Com mais ações terrestres do que no primeiro tempo, quando os paraibanos conseguiram menos de 20 jardas em 24 minutos jogados, o ataque nordestino ficou mais imprevisível para a forte defesa cruzeirense, que escutou o apito final do terceiro quarto na quarta descida para 9 jardas.

No início do último quarto, o ataque comandado por Dantas tentou a quarta descida, mas o quarterback do Espectros sofreu fumble. Jogada forçada por Tuleba, mais um atleta cruzeirense que estará no amistoso entre Brasil e Argentina na próxima semana.

Com a diferença no placar, o Cruzeiro começou a correr mais com a bola e tentar administrar o relógio. Alvaro buscou mais as jogadas terrestres que foram paradas na parede nordestina. Na linha de quarenta e cinco jardas do campo, os celestes foram para a tentativa de field goal, mas Charlston Charles não conseguiu acertar o chute.

Depois de Dantas escorregar dentro de campo, a jogada parecia que seria mais uma campanha sem pontos para o Espectros, mas o quarterback conseguiu se recuperar e encaixou dois passes fenomenais para Heron Azevedo e Callus Cox, que entrou na endzone celeste pelo lado direito. Conversão de ponto extra de Diego Aranha e somente dez pontos de diferença no placar. (23 x 13)

O Cruzeiro voltou para o ataque para buscar seus primeiros pontos no segundo tempo. Com a bola no meio do campo, Alvaro engatou a quinta marcha e encontrou uma avenida até a endzone do Espectros. O touchdown eminente do Cruzeiro só não aconteceu porque Callus Cox conseguiu forçar um fumble na linha de duas jardas, recuperando a bola para os fantasmas.

O momento mostrava-se mais propenso para o Espectros encaminhar mais um touchdown e se aproximar ainda mais do placar. Só que a defesa do Cruzeiro estava ligada e João Vitor conseguiu interceptar Dantas. Essa foi a quarta interceptação sofrida pelo quarterback do Espectros na final.

O turnover conquistado pela defesa mineira conseguiu ser capitalizado com um touchdown vindo de conexão entre Alvaro Fadini e Victor “Mega”, que se descolou de sua marcação homem a homem para chegar sozinho na endzone. Ponto extra convertido. (30 x 17)

Com menos de três minutos para o final da partida, o ataque do Espectros buscou algumas jogadas alternativas que não surtiram efeito na melhor defesa da competição. Em uma tentativa de surpreender os mineiros, Dantas passou para Heron, que tentou um passe para trás, que não foi conectado. Com a bola ao chão, o fumble foi recuperado pelos cruzeirenses.

Nos dois últimos minutos de jogo, o Cruzeiro conseguiu administrar o tempo do relógio para garantir sua primeira taça nacional no futebol americano, de forma invicta.

Final de jogo – Sada Cruzeiro 30 x 13 João Pessoa Espectros

Com a vitória, o Cruzeiro conquista o campeonato brasileiro com a melhor defesa da competição e de forma invicta. Os celestes fecham o ano de 2017 sem saber o que é ser derrotado e com dois títulos conquistados, o nacional e o campeonato estadual mineiro.

> Saiba como foi a BFA 2017

1 COMENTÁRIO

  1. Excelente cobertura do Salão Oval! Que em 2018 seja ainda melhor.

    PS.: Faltou acrescentar no texto qual foi o público presente na partida.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here