No Couto Pereira, Crocodiles e Cruzeiro duelam por final

0
203
O mítico estádio Couto Pereira já recebeu duas finais de Brasileiro: em 2011, o Croco perdeu para o Imperadores; em 2014, derrotou na prorrogação o Espectros. Foto: Victor Francisco/Salão Oval

Duas potências do futebol americano, por motivos muito diferentes: de um lado, o maior detentor de títulos esporte no Brasil, com dois campeonatos nacionais e sete estaduais, jogando em casa e com o apoio de mais de oito mil pessoas (público esperado); do outro, o novato que chegou com o maior investimento do esporte, montando uma verdadeira mini-seleção brasileira, com nove jogadores convocados para o histórico amistoso Brasil x Argentina em 16 de dezembro.

Além deste currículo todo, Coritiba Crocodiles e Sada Cruzeiro fazem a semifinal dos gigantes do futebol, já que no outro duelo estão Cuiabá Arsenal e João Pessoa Espectros, expoentes esportivos em dois estados carentes na bola redonda (Mato Grosso e Paraíba, respectivamente).

“Eles são time mais perigoso que pode existir”

O Salão Oval está em Curitiba desde sexta e conversou com as duas equipes antes da grande semifinal. Do lado do Cruzeiro, o head coach Dan Levy destacou o jogo como o mais perigoso do ano para sua equipe, já que, para ele, o Coritiba Crocodiles é uma equipe veterana e que está acreditando que pode derrotar qualquer um para buscar o título. Confira na entrevista em nosso canal no Youtube:

“Se tivermos uma equipe com 22 jogadores que acreditam, levamos o campeonato”

Perguntamos exatamente como este sentimento está impulsionando o Crocodiles nestes playoffs, principalmente depois da incrível vitória contra o T-Rex e do contundente triunfo em Santa Maria. O icônico trio do Croco, Adan Rodriguez, Delmer Zoschke e Henrique Rocha foram os componentes da coletiva no Estádio Couto Pereira. Confira em nosso Youtube:

Um “inimigo” íntimo: Kawan Pivatto

O defensive lineman Kawan Pivatto começou sua marcante carreira no futebol americano no Coritiba Crocodiles. Depois, passou pelo Juventude FA, onde foi um dos principais destaques do ascendente time gaúcho, antes de chegar ao Sada Cruzeiro no ínicio deste ano.

E neste sábado, às 16h no Couto Pereira, volta a sua cidade natal e ao seu time de formação para tentar derrotá-los: “Não tem coisa melhor do que jogar em casa e estar pela sétima vez em uma semifinal de brasileiro. É sempre uma felicidade enorme, pois todo o sacrifício que temos durante o ano se resume a isso, estar entre os melhores e a um passo da final. No Croco, pude crescer como atleta, ajudei o time a crescer, sendo campeão paranaense seis vezes seguidas, e indo cinco vezes para a final do brasileiro, sendo bicampeão em 2013 e 2014. Eu briguei tanto pelo Crocodiles, que ainda tenho muitos amigos lá, e isso é o mais importante no esporte, títulos vem e ficam no passado, mas as amizades feitas nesse esporte, ficam para sempre. Você pode ser o melhor atleta, ter as melhores estruturas, estar no melhor time, mas de nada vale, se não manter suas amizades”, explica.

Kawan também falou do sentimento de gratidão ao Croco e não aponta favorito para a semifinal: “E em relação a jogar contra os meus irmãos do Croco, apenas me motiva mais: eles me conhecem e sabem que eu não aliviava pra eles nem nos nossos treinos, não vai ser agora que eu vou pegar mais leve. E é claro, seria uma falta de respeito eu não dar o meu melhor e mostrar o quanto eu melhorei. Vou continuar sendo grato por tudo que o Crocodiles me proporcionou: sem eles com certeza meu caminho teria sido bem diferente. Amanhã será o jogo mais emocionante do campeonato, isso eu tenho certeza, e quem vencer, será o grande merecedor de tudo isso, com toda certeza. Não há favorito!”

Serviço: Coritiba Crocodiles x Sada Cruzeiro

Quando: Hoje, às 16h, no Estádio Couto Pereira

Ingressos: Bilheteria do Couto Pereira (inteira R$ 30 / meia R$ 15)

Transmissão: Páginas do Facebook do Coritiba e Coritiba Crocodiles, com narração e comentários do Salão Oval

COMPARTILHAR
Artigo anteriorAgenda FABR: 18 e 19 de Novembro
Próximo artigoCruzeiro vira nos dois minutos finais e carimba vaga no Brasil Bowl
Editor-chefe do Salão Oval, maior plataforma de mídias destinada ao FABR, Social Media Journalist da FIVB (Federação Internacional de Vôlei) e Social Media Editor para a Premier League (Campeonato Inglês de Futebol). Realizei coberturas nacionais pelas cinco regiões do Brasil e também nos EUA (Mundial de Ohio) e Perú (1º Torneio Guerrero de Los Andes), sempre acompanhando o futebol americano nacional de perto. Narrador e comentarista para o futebol americano nacional em diversas ocasiões (BandSports, Fox Sports e Globo Esporte.com), fui também jogador da Lusa Lions (flag 2008) e do Corinthians Steamrollers (2009 a 2012).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here