Homem de confiança do Rex, Boddenberg anuncia aposentadoria

0
336
Diego Boddenberg, em arte feita por seu substituto, Renan Ribeiro

Deixar sua marca em qualquer lugar que você passe é um objetivo que todos temos quando fazemos algo com paixão, dedicação e profissionalismo. E dentro do futebol americano nacional, deixar a sua marca em um time como o T-Rex é algo que pode ser muito mais que um objetivo, mas sim, um fato transformador em sua vida.

E é isso que Diego Boddenberg sente ao anunciar sua aposentadoria do atual pentacampeão catarinense. “O Rex foi uma experiência onde eu aprendi tudo – trabalhar sob pressão, organização administrativa e lidar com pessoas diferentes. Desde o primeiro dia eu vi que o Rex era algo diferenciado – tudo era organizado, o que me impressionou desde o primeiro treino”, contou o engenheiro civil, que tem planos de agora seguir carreira na área no exterior.

“Tenho uma gratidão enorme e não me vejo jogando em outro time”, promete. Coincidentemente ou não, todos os títulos conquistados pelo T-Rex contaram com a presença do kicker, tanto o pentacampeonato catarinense (2015-19) quanto o bicampeonato brasileiro (2015-16).

Evolução física e mental até a confiança total

Boddenberg entrou na equipe em 2014, em uma seletiva em que não foi bem em nenhum dos drills propostos pelo time. “Eu só entrei mesmo pelo chute”, confessa. Até 2016, Berg, como é conhecido na equipe, teve treinos físicos muito bons, ganhando 20kg de massa muscular. Mas o seu destaque maior, até ali, foram em punts.

A partir de 2017, a evolução venho com a necessidade da equipe em contar com sua pontaria. “Dava em média 100 a 120 chutes por treino. Foi um ano que uma evolução muito grande, principalmente com a Lua Sobolwsky, psicóloga, que me ajudou a lidar com os momentos de pressão. Eu entrava em campo e não escutava torcida, não escutava ninguém – só a bola saindo da mão do snapper”, explicou. Desde então, o kicker sentiu a confiança da equipe, tanto em seus field goals, pontos-extras ou punts.

“O Berg começou com a gente no tryout. Foi o primeiro kicker que o Rex realmente teve, focado em ser desenvolvido especialmente para chutes e punts e ele foi muito aplicado durante todos esse tempo, tornando-se um dos melhores do Brasil. É uma perda grande e agora o nosso trabalho é preparar alguém tão bom quanto ele ou até melhor”, destacou o head coach Breno Takahashi.

O substituto que vem do Norte

Renan Ribeiro chega ao bicampeão nacional (2015 e 2016) da equipe do Vingadores FA, do Pará. Renan deixa a equipe de Belém do Pará após duas temporadas. Antes, o jogador também havia jogado no Outland Soldiers. Nos dois anos de Vingadores, Renan colecionou títulos coletivos e individuais. Com a equipe, participou das campanhas de Campeão Paraense em 2018 e 2019, Campeão da Divisão Norte e da Conferência Brasileira da Liga Nacional de Futebol Americano (LNFA) 2018, Vice Campeão do Super Traktor Bowl LNFA 2018 e Vice campeão da BFA Norte 2019.

“Sou torcedor do Rex e sempre foi uma referência para mim. E essa mudança significa muito mais do que jogar o futebol americano, mas também de viver o futebol americano e profissionalmente. Como sou formado em marketing e sou designer e o time tem esse lado muito forte, essa mudança é muito importante para mim. São várias oportunidades”, resumiu Renan.

“Como vocês costumam falar no Salão Oval, ele é o sr. Automático. Jamais vou ser quem ele é. Mas pra mim é uma honra estar em seu lugar, pois é um cara que admiro muito. É uma responsabilidade gigante”, contou o paraense.

> Conheça mais sobre a história do atual vice-campeão nacional, o T-Rex

COMPARTILHAR
Artigo anteriorFABR teve 30 campeões na temporada de 2019
Próximo artigoBrasil Bowl XI já tem data: 12 de dezembro, com transmissão da ESPN
Avatar
Editor-chefe do Salão Oval, maior plataforma de mídias destinada ao FABR, Social Media Journalist da FIVB (Federação Internacional de Vôlei) e Social Media Editor para a Premier League (Campeonato Inglês de Futebol). Realizei coberturas nacionais pelas cinco regiões do Brasil e também nos EUA (Mundial de Ohio) e Perú (1º Torneio Guerrero de Los Andes), sempre acompanhando o futebol americano nacional de perto. Narrador e comentarista para o futebol americano nacional em diversas ocasiões (BandSports, Fox Sports e Globo Esporte.com), fui também jogador da Lusa Lions (flag 2008) e do Corinthians Steamrollers (2009 a 2012).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here