Históricos, Hawks e Croco jogam em Gaspar

0
163
O Black Hawks deve receber boa torcida para enfrentar o Coritiba Crocodiles em Gaspar Foto: Fernando Grah

Ninguém poderia imaginar que o confronto marcado entre Black Hawks e Coritiba Crocodiles (neste domingo, 15, em Gaspar) fosse acontecer em momentos históricos de duas equipes. Enquanto o estreante na elite do futebol americano continua invicto após três partidas, o maior campeão do FABR corre o risco de não se classificar para os playoffs de uma Conferência Sul de competição nacional – algo absolutamente inédito para os paranaenses.

“Um dos grandes jogos da história do BH”

O Black Hawks já chegou na elite do futebol americano nacional fazendo história. O time derrotou o pentacampeão catarinense e bicampeão nacional T-Rex. Depois, vieram o Jaraguá Breakers e o campeão paranaense HP. Agora chegou a hora de enfrentar o maior detentor de títulos do esporte nacional: o octacampeão paranaense e bicampeão nacional, Coritiba Crocodiles

“Eu imaginava e acreditava que o Black Hawks poderia ter um bom desempenho na BFA desde quando cheguei aqui, mesmo o time na Liga Nacional. Inclusive, sempre dizia que a nossa intenção era ser campeão catarinense e se manter na BFA. Com a chegada do coach Rios (mexicano) e o belo trabalho que a diretoria do Black Hawks faz, era inevitável o bom desempenho que estamos no campeonato nesse momento”, resumiu Caião, defensive tackle e capitão de defesa da equipe catarinense, que lesionado, só deve retornar ao time em uma provável participação de playoffs do time azul.

Mesmo com o bom desempenho, Caião não considera o Black Hawks favorito para a partida: “Nós continuamos sendo a sétima força. O Croco é o time mais casca grossa que conheço do FABR, não se brinca com um time desse. Estamos trabalhando para superarmos nós mesmos e tenho certeza que domingo será um dos grandes jogos da história do Black Hawks”, concluiu.

> Caião: é a oportunidade de fazer história em um novo time

Jogo de vida ou morte

É o tudo ou nada para o Crocodiles. Nem uma dúzia de clichês salvará a equipe paranaense se ela sair derrotada de Gaspar neste domingo. O time terá perdido para todos os quatro primeiros colocados e não terá chance alguma de classificação. Por isso, os playoffs já começaram para o Croco, se o time não quiser ficar de fora de um mata-mata pela primeira vez em sua história.

Perguntado se imaginava chegar nesta partida, neste ponto, o head coach Fernando Alves respondeu: “Confesso que não. Tivemos algumas baixas nesse ano, jogadores aposentando ou se transferindo para outros times, e um primeiro semestre onde o sistema ofensivo precisava de aderência aos novos quarterbacks. Por isso, jogamos com cada um por um tempo para ver quem seria titular na BFA. Mas temos um elenco de qualidade, competitivo, e o sistema não teve alterações drásticas que justificassem uma ausência nos playoffs”, explica.
Então, qual seria a razão do desempenho que os coloca em perigo agora, em Santa Catarina: “Acredito que a razão para esse ponto é a evolução do esporte e dos nossos adversários. O Croco tem feito partidas bastante disputadas, com poucos pontos de diferença. Somos o único time fora da zona de classificação com saldo de pontos positivo, nosso saldo é inclusive maior do que o 4º lugar. Isso mostra novamente a força da Conferência Sul. Além disso, nos faltou o mérito de capitalizar em momentos chave de jogos importantes, e tomar alguns touchdowns em big plays, e os nossos adversários têm tido a qualidade de aproveitar esses momentos. Agora precisamos fazer nossa parte e torcer para que resultados favoráveis nos mantenham na disputa”, concluiu.
Serviço: Black Hawks x Coritiba Crocodiles – Liga BFA 2019
Quando: Domingo, 15, às 14h
Onde: Campo 7 – Bairro 7 de setembro – Gaspar/SC
Ingressos: R$ 10,00 (antecipado) – saiba mais no Facebook do Black Hawks

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorÀ beira do abismo, Corinthians e Storm disputam clássico pela BFA
Próximo artigoCom ataques espetaculares, Espectros e Bulls prometem bom jogo
Avatar
Editor-chefe do Salão Oval, maior plataforma de mídias destinada ao FABR, Social Media Journalist da FIVB (Federação Internacional de Vôlei) e Social Media Editor para a Premier League (Campeonato Inglês de Futebol). Realizei coberturas nacionais pelas cinco regiões do Brasil e também nos EUA (Mundial de Ohio) e Perú (1º Torneio Guerrero de Los Andes), sempre acompanhando o futebol americano nacional de perto. Narrador e comentarista para o futebol americano nacional em diversas ocasiões (BandSports, Fox Sports e Globo Esporte.com), fui também jogador da Lusa Lions (flag 2008) e do Corinthians Steamrollers (2009 a 2012).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here