No auge, Tubarões e Espectros fazem semifinal no Mané Garrincha

0
301
Fialho e Aranha são os kickers de Tubarões e Espectros na semifinal do Mané Garrincha Fotos: Igor Alessandro e Anderson Silva

A segunda semifinal da BFA 2018 opõe duas equipes tradicionais, mas com experiências distintas nesta fase do campeonato. O Tubarões do Cerrado faz sua melhor campanha da história e chega a uma semifinal nacional pela primeira vez e de forma invicta. Já o João Pessoa Espectros tem grande experiência em semifinais e finais nacionais, sendo campeão nacional em 2015 e atual vice-campeão da BFA.

Com as duas equipes realizando duas melhores campanhas históricas para chegar às semifinais, detalhes podem decidir o jogo. E quando pensamos em detalhes, eles vem à cabeça: os kickers! Conheça melhor Victor Fialho, do Tubarões do Cerrado, e Diego Aranha, do João Pessoa Espectros.

Influenciado pela NFL e fazendo história no Tubarões

Victor Fialho começou a jogar influenciado pelo SuperBowl de 2007, o pós-Katrina entre Patriots e Giants, o jogador foi ganhando interesse pelo esporte. Até que em 2012 participou de uma seletiva do time, treinou como kicker no time de base e subiu para o principal em 2013.

O experiente kicker acredita que esta é realmente a melhor temporada da equipe: “Foi a temporada de mais auto nível em todos os lados da bola, e o mérito passa por toda a CT, evoluímos muito no ataque, defesa e special teams”. Para Fialho, o jogo mais difícil foi o último, a final da Conferência Centro-Oeste: “O jogo mais difícil sem dúvida foi a final de conferência contra o Sorriso, um baita time, com um nível muito alto”, disse.

Fialho é só elogios para o adversário Espectros, que enfrentam pela primeira vez neste domingo, no icônico Estádio Nacional, o Mané Garrincha. “É a realização de um sonho, um time extremamente vencedor, várias vezes campeão, com jogadores de nível de Seleção. Eles são os favoritos, mas estamos treinando muito, estudando muito para fazer um jogo competitivo e dá um excelente jogo para a nossa torcida”.

E para vencer, Fialho espera repetir seu desempenho na fase regular, quando chegou aos 87% de aproveitamento dos pontos-extra. Já nos playoffs, ficou pela metade: “Fui muito bem na temporada regular, porém, não fui bem nesse último jogo. Infelizmente, temos dias ruins e graças a Deus o time estava bem e meus erros não fizeram o time perder o título. Estou treinando muito mais, revendo meus chutes, analisando meus movimentos para melhorar no jogo do Espectros”, analisou.

De não tão fã até a Seleção

Diego Aranha, kicker absoluto da Seleção Brasileira, presente no Mundial de Ohio em 2015, quem diria, foi forçado a começar a jogar futebol americano: “Decidi jogar pelo pedido (leia-se insistência) da minha namorada e de Brian – nosso head coach na época e amigo pessoal de Bia, que fez o convite para ir em um treino. Joguei futebol desde muito pequeno e chutava forte. Aí ficou fácil escolher a posição”, explicou.

Aranha acredita que o Espectros está crescendo a cada temporada que passa, corrigindo os erros anteriores e avançando. Por isso, acredita que o time paraibano está prepado para a semifinal em Brasília: “Será um grande jogo. As campanhas dos dois times falam por si. Treinamos e estudamos muito para enfrentar o Tubarões, fazer um belo espetáculo e, se Deus quiser, garantir vaga na final. E nada mais justo do que um palco fantástico como o Mané Garrincha para receber um jogo desse tamanho. A expectativa é a melhor possível”.

Serviço: Tubarões do Cerrado x João Pessoa Espectros – Semifinal da BFA 2018

Quando: Domingo, 3 de dezembro, às 10h

Onde: Estádio Nacional, em Brasília

Ingressos: Saiba mais nas mídias sociais do Tubarões do Cerrado

COMPARTILHAR
Artigo anteriorAgenda FABR – 1 e 2 de Dezembro
Próximo artigoGalo derrota Rex em semifinal de brilho defensivo
Editor-chefe do Salão Oval, maior plataforma de mídias destinada ao FABR, Social Media Journalist da FIVB (Federação Internacional de Vôlei) e Social Media Editor para a Premier League (Campeonato Inglês de Futebol). Realizei coberturas nacionais pelas cinco regiões do Brasil e também nos EUA (Mundial de Ohio) e Perú (1º Torneio Guerrero de Los Andes), sempre acompanhando o futebol americano nacional de perto. Narrador e comentarista para o futebol americano nacional em diversas ocasiões (BandSports, Fox Sports e Globo Esporte.com), fui também jogador da Lusa Lions (flag 2008) e do Corinthians Steamrollers (2009 a 2012).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here