Galo derrota Rex em semifinal de brilho defensivo

1
1109
Parris Lee encontrou muito mais dificuldade diante de uma defesa catarinense que pressionou muito o Galo FA Foto: Richard Ferrari

O esperado equilíbrio na semifinal da BFA 2018 aconteceu. Alternância de momentos ofensivos e muita pressão das defesas, que conseguiram interceptações-chave. Venceu o Galo FA, que “roubou” a bola do quarterback Bassani por três vezes e conseguiu o triunfo por 14 a 10, a vitória por menor margem conseguida pelo estelar elenco que representa o Atlético Mineiro no futebol americano. Para o T-Rex, a derrota significou apenas o quinto revés desde 2014, conta 62 vitórias.

Para saber se será anfitrião ou visitante no Brasil Bowl, daqui duas semanas, o Galo aguarda a semifinal entre Tubarões do Cerrado e João Pessoa Espectros, que jogam em Brasília, neste domingo, às 10h.

Se os candangos avançam, a final da BFA será em Belo Horizonte; se o Espectros vencer, a final será em João Pessoa.

A semifinal

No primeiro snap, a defesa do Rex conseguiu um bom tackle for loss em cima de Parris Lee. Na sequência, a pressão da defesa catarinense fez o Galo brilhar com Álvaro passando para Mega. O wide-receiver, mesmo pressionado por Gregory, recebeu com uma mão e colocou os mineiros no campo de ataque.

O quarterback Álvaro Fadini brilhou até o touchdown, passando para Mega e Rudá e correndo seis jardas na raça para levar a bola até a endzone. Protasio, no lugar do titular Chaw, garantiu o 7 a 0 no ponto-extra.

Álvaro Fadini foi o nome de uma primeira campanha perfeita, concluída com raça pelo quarterback do Galo
Foto: Richard Ferrari

Em maus lençóis, o T-Rex estava em uma terceira para cinco jardas e quase perder a chance de renovar suas tentativas na pressão da defesa anfitriã sob o running back Alex “A-Train” Allen. O americano escapou de dois tackles e levou o Rex ao campo de ataque.

Pressionado, o Rex partiu para o field goal de Diego Boddenberg. Gelado como seu apelido, “Iceberg”, o kicker garantiu três pontos com um chute de 46 jardas – 7 a 3 para o Galo.

No ataque, o Galo não conseguia avançar com Parris Lee, mas sim nos passes de Álvaro. Uma falta anulou os avanços e Galo voltou para o campo de defesa. Andrey Pereira, defensive tackle, acabou com a campanha de ataque em lindo sack sobre Álvaro Fadini.

Após bom retorno de chute, o Rex chegou até a jarda 35 na corrida de Alex Train. Deste ponto, Bassani passou à perfeição para o wide-receiver Marlos Reis. Berg ampliou para 10 a 7, colocando o Galo pela primeira vez atrás do placar nos playoffs.

A pressão da defesa do Rex fez o ataque de Álvaro não pontuar em mais um campanha, enquanto Alex “A-Train” foi decisivo para o posicionamento ofensivo catarinense. Andrew Bernardi impediu o touchdown do americano em tackle providencial. Train colocou o Rex na linha seis de ataque.

Com a virada de campo, a virada do momento da partida: Lucas Teodoro interceptou o passe de Bassani e quase fez o touchdown, sendo tackleado de forma surpreendente por Alex “A-Train”. Na redzone, Parris Lee apareceu no jogo para fazer o seu – Protasio garantiu a virada mineira: 14 a 10.

Sem espaço, o Rex partiu para o punt, retornado de forma impressionante por Paul Morant, que colocou o Galo na redzone. Berg, o punter, salvou o Rex. Os mineiros tentaram avançar com Parris, parado de forma categórica por Andrey. Após o timeout, o Galo arriscou um field goal, bloqueado pela defesa visitante, que manteve a diferença em quatro pontos.

Buscando passes curtos, os alvos de Álvaro conseguiam bons avanços, parados pela secundária visitante. Parris Lee apareceu para tirar a campanha do marasmo e levar os anfitriões ao ataque. Quando o Galo parecia que ia pontuar, Álvaro, apesar do tempo, foi interceptado pelo versátil Arthur De Lucca.

Começando com as costas na parede, Bassani fez um passe preciso para o wide-receiver Matheus Barozzi. O MVP do SC Bowl XIII colocou o time na jarda 30 de ataque, antes do aviso de dois minutos. Na sequência, Bassani foi interceptado pela segunda fez no jogo, agora por Rapha Cruz.

Álvaro tentou de toda forma o touchdown e quase conseguiu no último passe. Mas o cornerback Gregory evitou a pontuação.

Com a virada de campo, a virada do momento da partida: Lucas Teodoro interceptou o passe de Bassani e quase fez o touchdown, sendo tackleado de forma surpreendente por Alex “A-Train”. Na redzone, Parris Lee apareceu no jogo para fazer o seu – Protasio garantiu a virada mineira: 14 a 10.

Sem espaço, o Rex partiu para o punt, retornado de forma impressionante por Paul Morant, que colocou o Galo na redzone. Berg, o punter, salvou o Rex. Os mineiros tentaram avançar com Parris, parado de forma categórica por Andrey. Após o timeout, o Galo arriscou um field goal, bloqueado pela defesa visitante, que manteve a diferença em quatro pontos.

Buscando passes curtos, os alvos de Álvaro conseguiam bons avanços, parados pela secundária visitante. Parris Lee apareceu para tirar a campanha do marasmo e levar os anfitriões ao ataque. Quando o Galo parecia que ia pontuar, Álvaro, apesar do tempo, foi interceptado pelo versátil Arthur De Lucca.

Começando com as costas na parede, Bassani fez um passe preciso para o wide-receiver Matheus Barozzi. O MVP do SC Bowl XIII colocou o time na jarda 30 de ataque, antes do aviso de dois minutos. Na sequência, Bassani foi interceptado pela segunda fez no jogo, agora por Rapha Cruz.

Álvaro tentou de toda forma o touchdown e quase conseguiu no último passe. Mas o cornerback Gregory evitou a pontuação.

O jogo retornou para o terceiro quarto sob forte chuva, apontando para um jogo corrido. Karl Henrry foi acionado para tentar avançar pelo Rex, mas foi parado por Luis Polastri, ex-Rex. Alex “A-Train” foi cirúrgico e garantiu novas tentativas da ofensiva visitante.

A sequência foi um passe forte de Bassani para Marlos, que colocou o Rex no campo de ataque. O running back americano voltou ao ataque e colocou o Rex na jarda 35. Alex “A-Train”, lesionado desde a partida contra o Croco, parece ter sentido um pouco e não foi capaz de ajudar o Rex a renovar as chances.

Parris Lee, ao contrário, correu 60 jardas e colocar o Galo na jarda 25 do ataque. Na beira da redzone, os mineiros foram contidos e o field goal de Protasio não foi efetivo.

A briga dos times contra as defesas esteve ferrenha, com as equipes arriscando quartas descidas, sem sucesso. Alex “A-Train” atuava no sacrifício e não avançou. Em fake punt, Berg não foi capaz de deixar os catarinenses no ataque.

Nos últimos 12 minutos regulamentares da semifinal da BFA 2018, o Galo chegou ao ataque com boas corridas de Parris Lee e um lindo passe de Álvaro para Rudá. O quarterback do time mineiro encontrou mais uma vez Mega na endzone, mas um holding anulou tudo. Um novo field goal de Protasio foi para o lado e nova boa campanha do Galo não resultou em pontos.

As defesas, dominantes, continuaram protagonistas até a metade do último quarto. O linebacker Jesus Emmanuel fez o sack mais lindo da partida em uma blitz perfeita em cima da Álvaro Fadini. Parris Lee anulou as 19 jardas conseguidas pelo defensor e renovou as chances mineiras no ataque.

O running back americano foi garantindo o gasto do tempo e o avanço progressivo no terreno defensivo do Rex. Mudando de tática, Álvaro tentou passar a bola e quase foi interceptado por Rafael Reiter. Em nova quarta descida, a pressão defensiva acabou com as pretensões do ataque.

O roteiro se repetiu já dentro dos dois minutos, mas o Rex converteu a quarta descida em passe de Bassani para Marlos Reis. Na sequência, um passe na direção de Meurer acabou pipocando para TK garantir a interceptação e a passagem do Galo para o Brasil Bowl.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorNo auge, Tubarões e Espectros fazem semifinal no Mané Garrincha
Próximo artigoEspectros vence Tubarões em Brasília e chega a mais um Brasil Bowl
Editor-chefe do Salão Oval, maior plataforma de mídias destinada ao FABR, Social Media Journalist da FIVB (Federação Internacional de Vôlei) e Social Media Editor para a Premier League (Campeonato Inglês de Futebol). Realizei coberturas nacionais pelas cinco regiões do Brasil e também nos EUA (Mundial de Ohio) e Perú (1º Torneio Guerrero de Los Andes), sempre acompanhando o futebol americano nacional de perto. Narrador e comentarista para o futebol americano nacional em diversas ocasiões (BandSports, Fox Sports e Globo Esporte.com), fui também jogador da Lusa Lions (flag 2008) e do Corinthians Steamrollers (2009 a 2012).

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here