Em partida de tirar o fôlego, Rex conquista Conferência Sul em casa

1
983
O T-Rex continua invicto na BFA 2018, agora com o título da Conferência Sul e semifinalista da elite nacional Foto: Cacá / Salão Oval

Uma partida inesquecível, com cinco trocas de liderança no placar, digna de quatro títulos brasileiros (dois para cada lado) e 12 estaduais (oito paranaenses e quatro catarinenses) que T-Rex e Coritiba Crocodiles colocaram em campo no Complexo Esportivo de Timbó. No  final, a equipe da casa soube errar menos no final da partida e garantiu o título da Conferência Sul com uma vitória pela diferença mínima: 21 a 20.

O jogaço!

A partida começou de forma incrível, com um erro técnico inexperado do Rex – um bad snap direto pra endzone, recuperado para touchdown pelo defensive end Henrique Oliveira. O extra-point não foi convertido – 6 a 0 Crocodiles.

Voltando para um começo normal da partida, o Rex retornou até o meio-campo e avançou jardas consideráveis nas corridas do jovem running back Karl Henrry. Após passe incompleto na direção do wide-receiver Guilherme Meurer, Bassani garantiu o first down em um slide.

A chegada na redzone veio com a corrida de Alex “A-Train” Alen, chegou deixou a bola na jarda 3 com uma impactante corrida ajudada por ótimos bloqueios. O running back americano, que fez mais da metade dos pontos do Recife Mariners no ano passado, ainda não havia causado o mesmo impacto no time catarinense. E resolveu começar a mudar isso marcando o touchdown que causou a primeira virada no placar no jogo – touchdown e ponto-extra confirmado por Diego Boddenberg – 7 a 6 Rex (e não 7 a 7 como no tweet)

O Crocodiles respondeu com um lindo touchdown de mais de 80 jardas no passe perfeito do quarterback americano Drew Banks para o seu alvo preferido nesta BFA, o wide-receiver Athos Daniel. Com o extra-point convertido por Wagner Paglia, o Croco tomou a liderança com o 13 a 7 no placar.

Quando o Rex tentava responder com corridas de Allen, um passe de Bassani foi interceptado pelo safety Felipak. No meio campo, o Croco começou correndo com Santucci, mas a defesa catarinense evitou os avanços paranaenses. Depois de touchdowns e turnovers, o primeiro punt do jogo foi realizado por Delmer Zoschke.

Alex Allen tomou mais uma vez o protagonismo da campanha do Rex, quebrou cinco tackles e avançou cerca de 60 jardas para deixar o Rex na jarda 5 de ataque. No entanto, o americano acabou lesionado na jogada.

O segundo quarto começou com o Rex na iminência do touchdown. E foi o que aconteceu no touchdown de Meurer, colocando a terceira virada no placar após o sucesso de Boddenberg no extra-point – 14 a 13 para os donos da casa.

Se o jogo corrido estava sendo contido pela linha defensiva do Rex, o Croco tinha sucesso nas conexões de Drew com Athos. Em nova tentativa de corrida, os visitantes sofreram fumble forçado por Ramon Verdugo e recuperado pelo Rex.

Karl Henrry fez linda corrida pelo meio e já deixou os catarinenses na jarda 20. Bassani deixou o Rex em primeira para o touchdown. No entanto, um holding acabou levando o Rex para os limites da redzone novamente e não aproveitar a campanha para tentar ampliar a vantagem mínima, após falha em field goal.

Após algumas trocas de posse de bola, o Rex teve nova chance de field goal, também desperdiçada. Já dentro dos dois minutos da primeira metade do jogo, as tentativas de ambos os times em mudar o placar foram infrutíferas.

O terceiro quarto começou com o Croco fazendo uma campanha com muitos snaps, usando até uma quarta descida crucial para chegar à redzone anfitriã, com importante avanço do veteraníssimo running back histórico da equipe e da Seleção Brasileira, Bruno Santucci.

Uma face mask do Rex facilitou a primeira para o touchdown paranaense, na jarda 7. Foi ele, o nome da campanha, que conseguiu a quarta virada no placar – Santucci protegeu a bola e mergulhou plasticamente na endzone catarinense. Paglia confirmou o ponto-extra e fez 20 a 14 para o Croco.

Após ter terminado o segundo quarto melhor, o Rex não converteu em pontos o momentum da partida e começou pressionado após a eficiente virada dos octacampeões paranaenses. O terceiro quarto transcorreu com grande batalha nas trincheiras, sem novas mudanças no placar.

O último quarto começou em um passe espetacular de Bassani para Marlos, deixando o Rex na linha de 7 jardas do ataque. Allen, mesmo lesionado, voltou para o jogo e empatou, com Boddenberg virando no extra-point – 21 a 20.

No meio-campo, o Crocodiles foi pressionado pela defesa do Rex, que finalmente conseguiu fechar os espaços na segundária e tirar as opções aéreas de Drew Banks. Em uma quarta para 15 jardas (após holding), o Crocodiles tentou mesmo assim. Drew não achou nenhum alvo e a bola foi para as mãos de Bassani.

Faltando seis minutos e 39 segundos, o Rex também teve dificuldade em avançar, pressionado pela defesa paranaense, principalmente por Delmer Zoschke. A bola voltou para o Croco, faltando menos três minutos para o fim da partida.

Já dentro dos dois minutos, Drew teve sangue frio para colocar o Crocodiles na jarda 39 do campo de ataque. No lance seguinte, o americano foi interceptado no meio-campo pelo free safety Rafael Reiter. Para ficar com o título, o Rex ajoelhou e garantiu o título da Conferência Sul da BFA 2018 de forma invicta com o placar de 21 a 20.

O que vem por aí na BFA

O Rex é o segundo semifinalista da BFA já garantido e aguarda a partida de hoje entre Galo e Tritões para saber a quem visitará. Já o Espectros aguarda a partida de amanhã entre Tubarões e Sorriso para saber o seu destino de viagem no Centro-Oeste.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorFavorito e consciente, Tubarões encara Sorriso para fazer história
Próximo artigoGalo derrota Tritões e pega Rex em semifinal nacional
Editor-chefe do Salão Oval, maior plataforma de mídias destinada ao FABR, Social Media Journalist da FIVB (Federação Internacional de Vôlei) e Social Media Editor para a Premier League (Campeonato Inglês de Futebol). Realizei coberturas nacionais pelas cinco regiões do Brasil e também nos EUA (Mundial de Ohio) e Perú (1º Torneio Guerrero de Los Andes), sempre acompanhando o futebol americano nacional de perto. Narrador e comentarista para o futebol americano nacional em diversas ocasiões (BandSports, Fox Sports e Globo Esporte.com), fui também jogador da Lusa Lions (flag 2008) e do Corinthians Steamrollers (2009 a 2012).

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here