Craque da Seleção, Maranhão é o novo reforço do Eagles

0
1530
O running back Eduardo Maranhão foi o destaque do amistoso entre Brasil e Argentina no Mineirão, em 16 de dezembro de 2017. Foto: Jayson Braga

Mais um brasileiro vai para o Eagles, o Yeditepe Eagles, da Turquia. O time que na temporada passada teve o reforço de Rapha Cruz, Victor Hugo “Mega” (hoje no Galo FA) e Caião (agora no Black Hawks), tomou gosto por ter reforços brasileiros e contará com o destacado running back do Ceará Caçadores e da Seleção Brasileira, Eduardo “Maranhão”.

“Passei por todo um processo seletivo, conversar com os coaches e assinar contrato. Parto no final de janeiro e devo ficar por lá até junho ou julho, vai depender até onde o time chegará na temporada”, explicou o craque do time cearense.

> Brasileiros na Turquia: “É uma responsabilidade representar o Brasil”

“Os brasileiros ainda não foram descobertos”

Como visto no link acima, foi uma grande responsabilidade para Rapha Cruz, Mega e Caião representar o Brasil. E eles foram muito bem. Tanto que o head coach do Yeditepe Eagles, o americano Kasey Crosby, cita que a experiência positiva com o trio brasileiro (indicados pelo compatriota Dan Levy, campeão brasileiro com o Sada Cruzeiro) foi decisiva para continuar a analisar jogadores do País como possíveis reforços.

“O coach Daniel Levy recomendou alguns jogadores e fiquei impressionado com o nível de atleticismo que vi em alguns e encontrei dois que realmente gostei: Rapha Cruz e Mega. Fiquei impressionado com o comprometimento deles com os treinamentos e pedi a indicação de um linha defensivo e eles me recomendaram o Caião”, contou o coach Crosby.

Os brasileiros tem uma vantagem burocrática na liga turca: não contam como estrangeiros. “A razão pela qual queremos brasileiros é que a liga na Turquia é um pouco diferente das outras da Europa. Lá, há duas categorias de estrangeiros: americanos e europeus. Os europeus tem que ter passaporte da União Europeia. Nestas ligas, os brasileiros contariam como os americanos”.

O comandante do time turco continuou a elogiar os brasileiros, principalmente em comparação aos turcos: “Os jogadores brasileiros ainda não foram descobertos fora do Brasil. Em comparação aos jogadores turcos, os brasileiros de elite tem maior atleticismo e velocidade. Trabalham muito e alguns são jogadores de futebol americano em tempo integral, algo que me chamou a atenção também”.

E como Maranhão foi parar em seu radar? Por indicação de Rapha Cruz e também por seu seu desempenho, que chamou muito a atenção: “Queria um running back brasileiro e minha procura levou ao jogador que eu acredito ser facilmente o mais dinâmico e impactante na posição no País, o Eduardo Maranhão. Depois de identificá-lo, pedi a opinião do Rapha Cruz e ele confirmou minha impressão. Maranhão ficou empolgado com a possibilidade da contratação e como era quem eu mais queria para a posição, confirmamos tudo de forma muito rápida”, explicou o americano.

A temporada no Caçadores

Maranhão, juntamente com o quarterback Ryan Deal, foram os destaques da temporada do Ceará Caçadores, eliminado nos playoffs da BFA pelo João Pessoa Espectros no último final de semana. Maranhão destacou a fase de transição do time e prevê um futuro promissor ao time de Fortaleza.

“Fizemos o que o FABR faz de melhor: superamos nas nossas dificuldades. Foi uma temporada complicada, muita reformulação no programa, head coach de certa forma novo (Bruno Rocha), coordenadores de ataque e defesa novos, boa parte do plantel, mais de 60% de atletas em primeiro ano. Foi realmente um ano de transição. Porém, mesmo dentro de tudo isso, o programa me deu oportunidade de fazer minha melhor temporada em números. Trouxeram um quarterback americano, que ensinou muito para os wide-receivers, todos novatos de primeiro ano. Foi um ano de aprendizado intenso e acho que o Caçadores vai bem para 2019″, sentenciou.

E o futuro? Na Europa ou na BFA?

E depois da temporada na Turquia, onde estará o futuro do running back que assombrou o Mineirão em dezembro último, marcando três touchdowns pela Seleção Brasileira contra a Argentina? Maranhão continuará na Europa?

“Isso é uma coisa que pretendo decidir de vez quando estiver por lá. O meu coach (Crosby) perguntou se eu tinha interesse de quando acabasse a temporada em o segundo semestre em outro time, pois ele tem muito contatos. Respondi que era uma possibilidade, mas que ainda tava aberto também a voltar ao Brasil. Preciso de uma proposta que compense jogar aqui”, analisou.

Mas se na Europa continuar como profissional com contrato é mais certeza, as portas do Ceará Caçadores e de outros times brasileiros estariam fechadas? Não é bem assim, como explica o running back.

“Certamente, hoje me vejo como um atleta de FA e busco o melhor cenário possível para o meu desenvolvimento dentro disso. Cenário hoje eu não falo somente de “salário”, o que sim considero muito importante, mas outros aspectos do programa, como a comissão técnica, estrutura de treino, extra campo etc. Isso por nenhum momento chega a ser um ‘calo’ ou um problema com a diretoria dos Caçadores. Em 2018, o Caçadores por diversos motivos me ofereceram o cenário que eu julguei ser mais seguro para meu desenvolvimento. Em 2019, podem aparecer outras propostas e tudo tem que ser analisado, certamente o Caçadores tem uma vantagem grande, pois acredito muito no trabalho deles e tenho confiança. Mas isso não impede que eu possa ir experimentar de outros programas de football“, disse.

> Confira como foi a temporada do Ceará Caçadores na BFA 2018

Maranhão é o segundo jogador do Ceará Caçadores a se transferir para o exterior. No primeiro semestre deste ano, o defensive lineman Carlos Severo atuou na França.

Inscreva-se em nosso Youtube e confira o compacto de Brasil x Argentina, a melhor partida do craque Maranhão

COMPARTILHAR
Artigo anteriorBFA faz sorteio e define playoffs do Centro-Oeste
Próximo artigoPanamá é novamente o adversário do Brasil em busca do Mundial
Avatar
Editor-chefe do Salão Oval, maior plataforma de mídias destinada ao FABR, Social Media Journalist da FIVB (Federação Internacional de Vôlei) e Social Media Editor para a Premier League (Campeonato Inglês de Futebol). Realizei coberturas nacionais pelas cinco regiões do Brasil e também nos EUA (Mundial de Ohio) e Perú (1º Torneio Guerrero de Los Andes), sempre acompanhando o futebol americano nacional de perto. Narrador e comentarista para o futebol americano nacional em diversas ocasiões (BandSports, Fox Sports e Globo Esporte.com), fui também jogador da Lusa Lions (flag 2008) e do Corinthians Steamrollers (2009 a 2012).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here